De semente em semente.

Itaúba é considerada a capital mato-grossense da castanha-do-brasil, popularmente conhecida como castanha-do-pará. O munícipio tem na extração de castanha uma de suas principais atividades econômicas. Em toda a região, a castanheira, árvore símbolo da Amazônia, mostra sua força não só na economia, mas também no meio ambiente e na comunidade.

A castanha é uma das protagonistas dessa história, mas não é a única. Diversas outras espécies completam o cenário do extrativismo na região privilegiada por abrigar a biodiversidade de três ecossistemas: pantanal, cerrado e floresta amazônica.

Partindo da premissa de que incentivar a propagação das espécies nativas é indispensável para a manutenção e conservação das áreas de florestas nativas, a MM Social tem colocado em prática na região uma capacitação técnica de cultivo de espécies florestais, ou cultivo em viveiros. O tema atendeu a uma demanda da própria comunidade, já que esse tipo de cultivo é a forma de garantir o plantio comercial ou reflorestamento, a partir de sementes selecionadas e da enxertia, garantindo a variabilidade genética e perpetuação das populações florestais.

A equação é simples: plantas provenientes de sementes iniciam a fase produtiva em torno de oito anos e somente aos 12 atingem a produção normal, desde que plantadas a sol pleno. Já as plantas provenientes de enxertia podem iniciar a produção de frutos aos três anos e meio. A técnica consiste em utilizar a muda (que contenha o material genético de uma planta que queira se multiplicar) e realizar o enxerto no caule de uma outra planta. Desta forma, é possível encurtar o tempo de desenvolvimento de uma planta com qualidade superior.

O processo de enxertia torna as plantas mais caras e, por isso, a população quase não consegue ter acesso a essas mudas melhoradas geneticamente. Com o aprendizado do curso, esse conhecimento agora pode ser aplicado mais facilmente, especialmente na fruticultura.


Diversos aplicações da castanheira e suas partes:

  • Frutos ou “ouriços” são usados como combustível ou para confecção de objetos.
  • A amêndoa é rica em proteínas, lipídios e vitaminas, consumida “in natura” ou usada para extração de óleo. O “leite” de castanha também é muito utilizado na culinária.
  • Do resíduo da extração do óleo obtém-se torta ou farelo, usado como misturas em farinhas ou rações.
  • A madeira é empregada tanto na construção civil como naval.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *